Virgílio Martins foi ontem a sepultar no cemitério de Azeitão

11751O homem encontrado morto e em estado carbonizado, ao início da tarde da tarde de sábado, numa horta em Brejos de Clérigos, foi ontem a sepultar no cemitério de Vila Nogueira de Azeitão.

Virgílio Gonçalves Martins, de 66 anos de idade – completados na véspera da sua morte, trágica, e com contornos ainda por desvendar na sua totalidade – foi a sepultar, a meio da tarde de ontem, no cemitério de Vila Nogueira de Azeitão.

Recorde-se que o cadáver do sexagenário, em estado carbonizado, foi descoberto pelos bombeiros de Azeitão, ao início da tarde de sábado, na sequência do combate a um pequeno incêndio em detritos no interior de uma horta, sita em Brejos de Clérigos, na freguesia de S. Simão.

A macabra descoberta logo foi comunicada às autoridades competentes, tendo comparecido no local agentes da GNR e Polícia Judiciária de Setúbal, com esta última autoridade policial a assumir a competência de apurar se haverá, ou não, indícios de crime na morte de Virgílio Gonçalves Martins.

Os bombeiros sapadores de Setúbal procederam à remoção do cadáver do sexagenário, cerca das 19.30 horas de sábado, para o gabinete médico-legal do Hospital de S. Bernardo, onde, anteontem, teve lugar a respectiva autópsia.

O corpo de Virgílio Martins permaneceu em câmara ardente, durante a manhã de ontem, na Igreja da Misericórdia, seguido do cortejo fúnebre, a meio da tarde, rumo ao cemitério de Vila Nogueira de Azeitão.

Segundo informação possível de apurar, o inditoso sexagenário era viúvo e residia no local (Brejos de Clérigos), juntamente com sua filha, proprietária do terreno onde teve lugar, no passado sábado, o incêndio combatido pelos bombeiros de Azeitão.

Durante esta operação, os soldados da paz do destacamento de Azeitão acabaram por encontrar o corpo carbonizado de Virgílio Gonçalves Martins que, curiosamente, tinha completado 66 anos de vida precisamente na véspera, sexta-feira, dia de Reis.

Teodoro João